Sou a Thalita Vitoreli, jornalista, 27 anos. Me casei em 2012 e estou aprendendo a curtir a maravilhosa viagem que é o casamento!
Vamos juntas?!
Confira aqui todas as colaboradoras do Tô Casada.com!

Curta no Facebook!

Instagram

Parceiros

+ acessadas

Arquivos

Preparada para ser mãe?

04fev
Publicado por Blog TôCasada.com

ser mae

Depois de certa idade muitas mulheres começam a questionar: qual será o melhor momento para ter filhos? Mas, será que existe realmente um momento certo?

Muitas mulheres têm dúvidas em relação à maternidade. Não sabem se desejam realmente ter filhos. Eu não! Eu sempre soube que seria mãe. Não sei se nasci com o instinto materno mais evidente ou se ao longo dos anos o desenvolvi.

Percebo que sempre assumi em minhas relações afetivas um papel semelhante ao de mãe. Auxilie muito no cuidado com meus dois irmãos mais novos. Entretinha com prazer os numerosos e agitados primos. Entre as amigas, era a conselheira. Muitas vezes a última a saber da verdade – escondiam temendo o sermão. Não fazia de propósito, não planejava. Eu era assim.

Quando me casei não tive dúvidas. Com apenas três meses de casados descobrimos a gravidez. Imensamente feliz, julgava-me totalmente preparada. O primeiro alerta de que talvez não fosse bem assim partiu da minha médica. Lembro exatamente quando afirmou que eu não estava pronta, “talvez nenhuma mulher esteja”.

Obviamente que não discuti. Digeri a informação e disfarcei o desapontamento. Era cuidadosa, protetora e paciente, amava os pequenos. Ignorei por completo o comentário. E feliz da vida comecei a curtir a gravidez.

Não demorou muito para eu refletir sobre a afirmação. A gravidez, que é uma parte esquecida quando nos imaginamos mães, começou a me privar de algumas coisas. As noites mal dormidas, os enjoos matutinos, a repulsa por determinados alimentos, o refluxo. Enfim, talvez eu realmente não estivesse tão preparada quanto imaginava.

Os meses se passaram. Finalmente minha bonequinha decidiu nascer. Muitas horas de trabalho de parto e dores inigualáveis e… nasceu! Quando aconteceu compreendi: não estava preparada para ser mãe. Talvez nenhuma de nós, como disse a minha médica com seus muitos anos de experiência pessoal e profissional.

Constatei que a maternidade exigia muito mais do que eu dedicava aos meus irmãos. Mais paciência e atenção do que destinava aos meus primos menores nas reuniões familiares. Exigia muita coragem e disciplina para corrigir e ensinar o que é certo, bem mais complexo que aconselhar amigas adolescentes. A maternidade exige o máximo de cada mulher.

Por vezes, depois que a Alanis nasceu, acreditei não ser capaz. Em muitas ocasiões chorei a minha insuficiência. Duvidei de minha competência. Questionei minhas decisões, meus valores, meu passado, meu futuro.

No entanto, com o passar do tempo, compreendi que apesar de não estar realmente preparada, como julgava, o amor e a dedicação de uma mãe supera todo despreparo. Nos torna fortes, valentes, batalhadoras, suficientes, preenchidas, intensas. Capazes de esquecer de nós mesmas, de nos doar absurdamente em todos os sentidos.

Estou grávida novamente. Confesso, ainda não estou preparada. Ouço todos os conselhos. Aprendo com as situações, amadureço com meus erros e tenho muito orgulho dos meus acertos.

Compartilho minha experiência neste primeiro momento para que as futuras mamães saibam que não há um curso de formação. Podemos sim nos preparar financeiramente, escolher cursar o Ensino Superior, encontrar a pessoa ideal, viajar, enfim… No entanto, nunca estaremos de fato preparadas. Acredito que as descobertas e a superação diária de limites é o que torna a maternidade incrivelmente fascinante e singular.

assinatura_leia